ROYALTIES PODEM SER DESTINADOS AO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE CABO FRIO

ROYALTIES PODEM SER DESTINADOS AO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE CABO FRIO

Vereadores se reuniram com moradores e diversos órgãos envolvidos com o Patrimônio Histórico e Artístico de Cabo Frio para discutir o destino do antigo galpão do Porto do Sal na Câmara Municipal na manhã desta terça-feira (26). Dentre as principais colaborações feitas pelos vereadores a proposta de criar um Fundo Soberano de Proteção ao Patrimônio Histórico e Cultural e destinar 1% dos Royalties de Petróleo para o mesmo, foi a que mais se destacou.

O arquiteto e urbanista Manoel Vieira e o professor e historiador João Cristóvão fizeram respectivamente suas defesas em prol da demolição e tombamento do antigo galpão, que hoje é o único de pé na área da Passagem, e que para alguns possui grande valor histórico por ter feito parte da época da economia de exportação de sal e cal na região.

Além da proposta de membros da Comissão de Políticas Públicas do Parlamento Municipal de criar um Fundo e destinar parte dos royalties do petróleo para a manutenção do patrimônio histórico do município, o vereador Rafael Peçanha (PDT) sugeriu a ideia de criar um projeto de lei na Câmara que declare toda a zona histórica portuária salineira de Cabo Frio como patrimônio cultural de interesse turístico,  para  que o poder público possa regular o ordenamento de obras que venham a ser realizadas e manter o interesse turístico e o interesse cultural. A outra ideia do vereador, que também poderá ser deliberada pela casa, é tombar a área.

A audiência teve como objetivo esclarecer os parlamentares e a sociedade sobre o destino da área e dar oportunidade a entidades, órgãos públicos e população na participação da discussão. Os projetos de leis, ideias legislativas e encaminhamentos referentes ao tema poderão ser feitos por cada vereador ou comissão nas próximas sessões da Casa Legislativa.

Acessibilidade